Turismo na Região

Mapa TurismoMogi Guaçu Conchal Engenheiro Coelho Artur Nogueira Cosmópolis Paulínia Campinas Valinhos Louveira Itatiba Jundiaí Jarinu Atibaia Bom Jesus dos Perdões Nazaré Paulista Igaratá Jacareí

As cinco rodovias que compõem o Corredor Dom Pedro permitem que o turista percorra curtas distâncias para desfrutar de um rico e diversificado roteiro de atrações turísticas, que varia da modernidade de Campinas, capital de uma das principais regiões metropolitanas do país, à paisagem bucólica de Engenheiro Coelho.

Atrações que não se limitam à diversidade das 17 cidades distribuídas ao longo do Corredor Dom Pedro. Os 297 km de rodovias administradas pela Rota das Bandeiras também levam o turista a alguns dos mais badalados roteiros do Estado.

Por nossas rodovias, o turista viaja da beleza natural do Circuito das Águas à sofisticação de Campos do Jordão; da agitação das praias do Litoral Norte à tranquilidade do Circuito das Frutas.

Opções para todos os gostos e bolsos, que você pode conferir a partir de agora. Não perca seu tempo e viaje conosco nesta rota!

Litoral Norte

Roteiro mais procurado dos paulistas no feriado, o Litoral Norte faz sucesso com todos os tipos de públicos. São Sebastião atrai os jovens com suas festas e casas noturnas. Com deliciosos restaurantes, Ilhabela é o destino perfeito para casais. Ubatuba e Caraguatatuba atraem aqueles que querem a diversão da praia, mas com infraestrutura de cidade grande. Tudo isso aliado às paisagens maravilhosas e áreas de reservas paradisíacas, benefícios proporcionados pelas quatro cidades da região.

De todos os turistas que periodicamente vão ao Litoral Norte, boa parte tem como origem as cidades que margeiam os 145,5 km da rodovia Dom Pedro I (SP-065). Seguindo rumo a Jacareí, estão a poucos quilômetros do litoral e têm a garantia de viagem tranquila, estrada confortável e, principalmente, segurança reforçada.

Ubatuba

Situada no extremo norte do Estado de São Paulo, Ubatuba possui cerca de 105 km de orla marítima e mais de 100 praias. Algumas delas são famosas, como Itamambuca, paraíso de surfistas, ou a Praia Grande, no Centro. É considerada a cidade com a maior rede hoteleira do litoral paulista. Oferece gastronomia diversificada e várias opções de lazer, como ênfase ao turismo náutico e os passeios de escuna. Dão a seus turistas, também, a possibilidade de conhecer a cidade histórica de Paraty (RJ), com quem faz divisa.

Caraguatatuba

É a típica cidade praiana com cara de cidade grande. Oferece os maiores e melhores centros de compras da região e conta também com alguns restaurantes renomados e conhecidos em todo o Estado. Têm infraestrutura para receber muitos clientes. A praia do Centro é limpa e acessível a todos os tipos de turistas. É lá que ficam o parque de diversões, praça de eventos e o centro de diversões aquáticas. Povoada desde o ano 1600, Caraguá, como é conhecida, possui 18 praias.

São Sebastião

Uma das cidades mais antigas de São Paulo e do Brasil, São Sebastião se transformou em um aglomerado de points para jovens, sem perder as características de cidade histórica, tanto em sua arquitetura quanto nos acervos de peças e documentos. Como destaques naturais, têm as praias de Barra do Una, Juquehy, Camburi, Toque-Toque e Maresias. São 22 praias no total.

Ilhabela

Maior ilha do litoral sudeste do Brasil, Ilhabela é conhecida por abrigar uma série de eventos culturais, artísticos e esportivos. A cidade é conhecida como a “Capital da Vela” e foi local de treino do multi-medalhista olímpico Robert Scheidt.

A Praia da Armação é a mais visitada pelos amantes dos esportes náuticos. Não é avistada da rodovia principal e fica próxima do farol da Ponta das Canas, tendo como acesso uma apertada trilha. Além da Armação, Ilhabela conta com pelo menos mais 40 praias, seis cachoeiras e 11 trilhas.

Circuito Entre Serras e Águas

Natureza, áreas verdes preservadas, céu azul e sol em 300 dias do ano. Seria essa a descrição do paraíso? Se for, o paraíso pode ser encontrado na Terra, próximo à cidade de São Paulo, no chamado Circuito Entre Serras e Águas, formado por 13 cidades (Atibaia, Guarulhos, Mairiporã, Bragança Paulista, Pedra Bela, Tuiuti, Bom Jesus dos Perdões, Piracaia, Nazaré Paulista, Jarinu, Joanópolis e Pinhalzinho) localizadas às margens das rodovias Dom Pedro I e Fernão Dias.

O Circuito Entre Serras e Águas conta com um clima bastante agradável em todas as estações do ano, além de lindas paisagens serranas e áreas exuberantes de natureza preservada.

Um misto de história com desenvolvimento; cultura e natureza. Lugar ideal para intensos momentos de lazer entre águas e serras.

Atibaia

Considerado um dos melhores do mundo, o clima de Atibaia é um dos grandes destaques desta charmosa cidade cercada por serras, que, entre outras atrações, conta com a Pedra Grande, principal ponto turístico da cidade, localizado 1.450 metros acima do nível do mar e que pode ser acessado a pé ou de carro.

Guarulhos

Dona da segunda maior população do Estado de São Paulo, atrás apenas da Capital, Guarulhos conta com números portentosos em todos os aspectos. A cidade é a 12ª mais populosa do país, sua produção representa mais de 1% do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil, além de abrigar em seu território o maior aeroporto da América Latina.

Mairiporã

Sugerido pelo jornalista e poeta Araújo Jorge, Mairiporã tem o seu nome inspirado no idioma tupi-guarani e significa cidade bonita (mairi, cidade; porã, bonita). Uma justa homenagem ao município que tem entre outros pontos turísticos a Cachoeira do Capim Branco.

Bragança Paulista

Conhecida como terra da linguiça, Bragança Paulista é uma cidade que tem muito mais a oferecer aos seus visitantes, além da deliciosa iguaria. Na cidade, o visitante pode optar por conhecer inúmeras atrações como o Lago do Taboão, a Montanha Leite de Sol ou a Represa Jaguary.

Pedra Bela

Com apenas 6 mil habitantes, Pedra Bela tem uma altitude média de 1100 metros e destaca-se por conta das suas belezas naturais. Para os religiosos, o principal ponto turístico da cidade é o Santuário de Nossa Senhora Aparecida, situado na parte superior da Pedra Grande, com uma história de construção bastante curiosa. Vale a pena descobrir!

Tuiuti

Tuiuti, localizada próxima à Bragança Paulista, também conta com cerca de 6 mil habitantes. Um exemplo de lugar que consegue permanecer tranquilo, mesmo estando próximo a grandes centros.

Bom Jesus dos Perdões

Típica cidade do interior, Bom Jesus dos Perdões tem entre suas mais belas atrações a igreja matriz, que conta com a arquitetura típica do movimento Barroco Mineiro. A cidade ainda oferece diversas cachoeiras e locais tranquilos para o visitante ficar em contato com a natureza.

Piracaia

Se você gosta de pescar, Piracaia é um destino obrigatório. Localizada em meio a enormes represas que pertencem ao sistema Cantareira, a cidade oferece aos seus visitantes a pesca amadora e a pesca ecológica, bem como a prática de esportes náuticos.

Nazaré Paulista

Mais um ponto indicado para os amantes da pesca, a cidade tem na Represa Atibainha, com 25 km², um dos seus principais pontos turísticos. Outras opções são a Igreja Nossa Senhora de Nazaré, construída em 1676, e o prédio da Prefeitura, erguido no ano de 1870.

Jarinu

Para os fãs de automóveis, Jarinu conta com a fábrica fora de série da Chamonix, que produz réplicas de modelos antigos da marca alemã Porsche. A cidade também é grande produtora de frutas, além de vinhos e cachaças artesanais.

Joanópolis

Cercada pelas altas montanhas da Serra do Lopo, Joanópolis alterna-se entre vales e morros por onde correm seus riachos formando exuberantes cachoeiras, entre elas a Cachoeira dos Pretos, com mais de 150 metros de queda. O município também é conhecido como a cidade do lobisomem, já que a criatura teria aparecido por lá diversas vezes.

Pinhalzinho

Cortada pelo Ribeirão do Pinhal, que deságua no rio Camanducaia, Pinhalzinho se insere na Bacia Hidrográfica PCJ (Piracicaba, Capivari e Jundiaí), formadores do Rio Tietê.

Circuito das Frutas

O Circuito das Frutas, formado pelas dez cidades com maior tradição em cultura de frutas exóticas no Estado, é o que há de mais europeu em São Paulo. As cidades de Atibaia, Indaiatuba, Itatiba, Itupeva, Jarinu, Jundiaí, Louveira, Morungaba, Valinhos e Vinhedo somam mais da metade da produção paulista de frutas como uva, morango e pêssego, numa região que é permeada pelas rodovias que formam o Corredor Dom Pedro, sob concessão da Rota das Bandeiras.

Apesar de chamarem a atenção pelo resquício de arquitetura histórica, as cidades do Circuito das Frutas apostam mesmo no turismo rural, amparadas pelos lindos pomares e pelo clima, considerado um dos melhores do mundo. Para comemorar as épocas de safra, é tradicional os municípios realizarem festas, cujos principais chamarizes são, claro, as frutas e todos os seus derivados.

Atibaia

A “Suíça Brasileira” foi o apelido dado à cidade de Atibaia por escritores do início do século passado, como Oswald de Andrade, Guilherme de Almeida e Mario de Andrade, que costumavam colocar a cidade em sua rota de fuga para criar suas histórias.

Com um clima ideal, altitude entre 750m e 850m e ventos favoráveis, os produtores passaram a perceber que a terra era propícia para o cultivo de frutas cuja incidência é mais comum na Europa. É o caso do morango, que se transformou na marca da cidade. Anualmente, Atibaia realiza a Festa do Morango. As plantações de flores e os orquidários também têm posição de destaque na cidade.

Indaiatuba

Se Atibaia é a “Suíça Brasileira” por seu clima, Indaiatuba abraçou a comunidade suíça em São Paulo, inclusive com a criação de um bairro para sua instalação, o Helvétia. Chamada de “Cidade do Sol”, Indaiatuba se destaca pela produção de uva e foi uma das pioneiras no cultivo de acerolas orgânicas. Sua topografia plana e o crescimento urbano bem planejado também ajudam a atrair os turistas e produtores.

Itatiba

Com o carinhoso apelido de Princesa da Colina, incrustada em meio a lindas paisagens e produtora de grande variedade de frutas, com destaque para o caqui, Itatiba guarda belezas naturais incomparáveis. A cidade possui também enorme patrimônio cultural e histórico, além de ser nacionalmente conhecida pela produção de móveis. Destacam-se em seu calendário de eventos a Festa do Caqui, realizada em abril, e a tradicional Festa de San Genaro.

Itupeva

Produtora de uvas, morangos e pêssegos, Itupeva, cujo nome provém do tupi-guarani (“cascata pequena”), é marcada por sua extensa área rural e pela produção de mel e cachaça, principalmente. A cidade destaca-se ainda por suas pequenas colinas pelas belas estradas rurais que possui. Realiza a Festa da Uva anualmente.

Jarinu

Também privilegiada pelo seu clima, Jarinu passou a ser destino de times de futebol em busca de sossego para suas pré-temporadas. Tem suas áreas rurais dominadas por plantações de morangos, pêssegos e ameixas, frutas tipicamente europeias. Seu calendário de eventos destaca-se pelas festas da Ameixa, realizada no mês de dezembro, e do morango, com inúmeros pratos típicos, realizada no mês de junho.

Jundiaí

O fato de ser conhecida como “Terra da Uva” já diz muito sobre a vida rural de Jundiaí, a maior cidade do Circuito das Frutas. O apelido é derivado da tradição na produção de uva niágara rosada, característica que surgiu naturalmente na década de 30. Atualmente, Jundiaí é ainda a maior produtora de uva niágara do País, produzindo também pêssego, morango e caqui.

Destacam-se as festas do Morango e da Uva, além da Festa De La Colônia Italiana, realizada anualmente no município. Jundiaí possui ainda inúmeras belezas naturais, dentre elas a Serra do Japi, patrimônio ambiental do Estado.

Louveira

Com uma história que se inicia em meados no século XVII, Louveira destaca-se hoje pela produção de uvas, caquis, pêssegos, figos, ameixas e morangos.
Possui grande patrimônio histórico e cultural. O passeio rural envolve, além de maravilhosas paisagens, gastronomia típica, visita à fazenda histórica, vinhos artesanais, doces e cachaças. A cidade realiza todos os anos as tradicionais festas da Uva, de Santo Antonio, da Primavera e de Nossa Senhora da Abadia.

Morungaba

Ao pé da Serra das Cabras, Morungaba tem produção de uvas, figos, laranjas e pêssegos, mas seu forte são os doces derivados dessas frutas, como compotas e geleias. A produção de ervas para temperos também tem destaque.

Valinhos

Nacionalmente conhecida pela produção de figo e goiaba, a cidade nasceu de um pouso de tropeiros que rumavam para Goiás e cresceu pelas mãos dos imigrantes que se mudaram para a região. Hoje, Valinhos realiza anualmente duas das festas mais conhecidas e visitadas do Circuito das Frutas, a Festa do Figo e a Expo Goiaba. Elas reúnem exposição de frutas, produtos artesanais, manifestações culturais e uma variada gastronomia, que inclui diversos doces e receitas com frutas, dentre elas o já famoso figo com chocolate.

Vinhedo

Vinhedo alia a característica de cidade pacata com opções para saídas noturnas e eventos culturais. Mantém produção de uvas e pêssegos, principalmente, e também realiza sua Festa da Uva anual.

Circuito das Águas

Como o próprio nome diz, o Circuito das Águas reúne oito cidades do interior paulista que têm nas águas naturais seu principal atrativo turístico, porém, não o único. A região é composta por seis municípios com o título de estância hidromineral, que são Amparo, Serra Negra, Lindoia, Águas de Lindoia, Monte Alegre do Sul e Socorro, além de Jaguariúna e Pedreira. Todos eles estão inseridos na região da Serra da Mantiqueira, entre vales permeados por muitas áreas verdes.

Ser a rota das águas levou até a região muitos turistas, o que fez com que a rede de apoio ao viajante se estruturasse. Hoje, são dezenas de hotéis e uma oferta enorme de serviços, que vão desde companhias de esportes de aventura até restaurantes nos padrões europeus. O clima ameno e as paisagens agradáveis, além da estrutura hoteleira, transformaram a região, também, em uma das mais procuradas para eventos e convenções.

Desde 2004, com a integração de Jaguariúna e Pedreira ao circuito, as oito prefeituras criaram uma associação para discutir, conjuntamente, os rumos do turismo no local. A partir daí, foram acrescentados ao já vasto “menu” turístico as louças de Pedreira e a vida noturna de Jaguariúna, terra de um dos maiores rodeios do Brasil.

Águas

Todas as oito cidades do polo turístico têm como referência alguma fonte natural de água, seja uma bica, cachoeira, rio ou balneário. A mais famosa por esta característica é Águas de Lindoia, cidade cujas águas foram apontadas como medicinais no início do século passado. A descoberta foi feita pelo médico italiano Francisco Tozzi, que aproveitou a façanha para fundar o município em meio à mata da Mantiqueira. Seus estudos da época mostraram efeitos terapêuticos para doenças do sistema digestivo.

A poucos quilômetros de Águas de Lindoia, a cidade xará Lindoia orgulha-se de ser a fornecedora de cerca de 40% da água mineral que é engarrafada para venda no Brasil. Assim como Serra Negra, que mescla a arquitetura tradicional da cidade com fontes urbanas de água mineral. São várias espalhadas pela cidade, algumas delas famosas, como Brunhara, Santo Agostinho e São Luiz.

Socorro aparece na região como a cidade da aventura. Principalmente pelo Rio do Peixe, que corta o município e forma um balneário estruturado para receber turistas que buscam descanso em suas águas cristalinas. Lá, os visitantes podem tomar banhos de imersão com sais, hidromassagem, limpeza de pele e massagem.

Em Monte Alegre do Sul, a atração é a cachoeira do Falcão, que precede um agradável balneário de areia fina de rio. Ambos também são usados para tratamentos hidroterápicos. Por fim, entre as cidades de Amparo e Pedreira, na reserva Mundão das Trilhas, é possível encontrar trechos navegáveis do Rio Camanducaia, região que ainda abriga restos de trincheiras armadas na Revolução Constitucionalista de 32. Em Jaguariúna, as águas de minas, lagos e lagoas atraem os aficcionados por pesca, além de abrigar o Cable Park, maior parque aquático da região.

Turismo rural

Conhecer o papagaio que canta o hino nacional ou tomar um tradicional café da manhã caipira rodeado de animais são algumas das atrações que o visitante pode apreciar ao conhecer as fazendas históricas da região do Circuito das Águas. Todas as oito cidades que compõem o circuito disponibilizam visitas guiadas a propriedades rurais históricas.

Na fazenda Atalaia, em Amparo, cuja construção data de 1870, é possível visitar a produção de queijos, leite, iogurtes, geleias e pães. No Rancho da fronteira, em Águas de Lindoia, os turistas podem curtir shows de cães pastores e cavalos adestrados. Em Jaguariúna, o sucesso de público é o grande número de haras e ranchos, um prato cheio para quem gosta de cavalos e esportes equestres. No Rancho LF, os passeios a cavalo em trilhas levam aos trilhos da antiga linha de trem da Mogiana.

Em Pedreira, o observatório municipal, localizado a 900 metros de altitude em zona rural, é considerado um dos melhores pontos para observação dos astros em São Paulo. Na fazenda Vale do Ouro Verde, em Serra Negra, é possível visitar os cafezais com monitoramento e explicação sobre a importância do café na economia da região.

Aventura

A prática de esportes de aventura é outro destaque no Circuito das Águas Paulista, principalmente em Socorro, polo bem estruturado com diversos parques de aventura, que oferecem mais de 17 modalidades esportivas, além de sediar competições do tipo.

Que tal participar de um rally na Serra do Brejal, em Águas de Lindoia? O evento, cada ano mais tradicional, é considerado um dos mais radicais do interior paulista. Monte Alegre do Sul e Lindoia são os cenários perfeitos para quem gosta de praticar rafting e trekking.

Patrimônio histórico

Para quem é ligado na história, a região do Circuito das Águas guarda fazendas, casarões e igrejas que retratam perfeitamente a vida do século XIX, no tempo em que a cultura do café dominava o Estado. Andar pelas ruas de Amparo, por exemplo, é como voltar no tempo. A cidade mantém 558 construções, sendo 50 tombadas pelo patrimônio histórico, com a arquitetura original.

Socorro mantém intacta, ainda, a primeira ponte de concreto construída em São Paulo. São 12 construções tombadas com forte influência da arquitetura européia. Em Jaguariúna fica a única igreja em estilo gótico da região, a Centenária de Santa Maria. Há ainda a antiga estação da linha ferroviária Mogiana, que se mantém bem conservada e preparada para receber os turistas. Águas de Lindoia possui uma das mais belas obras do paisagista Burle Marx, a praça Adhemar de Barros.

Campos do Jordão

No inverno, não há lugar mais “quente” em São Paulo do que Campos do Jordão. A cidade no Vale do Paraíba reúne tudo o que é necessário para atrair milhares de turistas e já se tornou automática sua associação com o inverno paulista. A gastronomia, as opções de agito à noite, compras e os passeios ecológicos formam o conjunto perfeito para quem não quer errar ao escolher o roteiro de viagem.

O acesso àquela região se dá por uma das rodovias mais seguras do Estado, a Dom Pedro I, responsável por grande parte do fluxo que parte do interior rumo à “Suíça Brasileira”, alcunha que divide com Atibaia. O sucesso turístico de Campos do Jordão acabou por respingar nas cidades vizinhas, como Monteiro Lobato, Santo Antônio do Pinhal e São Bento do Sapucaí, que recebem anualmente turistas interessados em hospedagem.

De abril a julho, Campos do Jordão organiza o já famoso Festival de Inverno, que reúne atrações artísticas e promove ações pontuais de eventos. Nesta época do ano, marcas famosas dos mais variados produtos optam pela cidade para executar suas ações promocionais, fomentando ainda mais o turismo para os interessados em compras.

A comida típica de inverno faz dos restaurantes do município alguns dos mais famosos. A variedade vai desde a culinária típica alemã ao refinamento da cozinha franco-suíça, passando pelo brasileiríssimo churrasco. A tentação é grande também na hora da sobremesa, já que a cidade é recheada de confeitarias, com ênfase para os chocolates.

À noite, a juventude toma conta da cidade e lota os bares da região central. Grandes franquias de boates realizam festas na cidade nesta época do ano, o que atrai turistas de curta estadia.

A rede hoteleira é bem estruturada, dando opção desde o luxo de hotéis ao sossego das pousadas. Para os que buscam sossego, aliás, Campos do Jordão oferece um circuito de passeios pela natureza. A caminhada até a Pedra do Baú é imperdível, assim como um passeio de mountain bike pelas trilhas da Serra da Mantiqueira. Apesar do frio, há quem opte por visitar as três cachoeiras da região, Ferradura, Piracuama e Itapeva.

Campos virou reduto, além dos paulistas, de mineiros e fluminenses, o que fez com que a estrutura destinada aos turistas evoluísse ainda mais. As terras, compradas no século XIX pelo Brigadeiro Jordão, recebem o incremento anual de turistas e, consequentemente, de atrações.

Região Bragantina

Assim como a região de Campos do Jordão, a Região Bragantina é roteiro conhecido na temporada de frio. A diferença, no entanto, é que as lojas de grife, os restaurantes sofisticados e o ambiente urbano dão lugar às belezas naturais, ao verde e aos esportes radicais. A região é composta basicamente por Bragança Paulista, Joanópolis e Piracaia, embora faça parte, também, a cidade de Vargem, antigo distrito de Bragança.

É por ali também que o turista de Campinas ou São Paulo passa para chegar até Camanducaia, Monte Verde ou Extrema, cidades mineiras, mas também de tradição no turismo de inverno. Autoridades de Monte Verde, inclusive, consideram suas temperaturas mais baixas do que as encontradas no outro polo do inverno, no Vale do Paraíba.

Bragança Paulista

Os morros de Bragança, avistados já da rodovia Fernão Dias, que é acessada pela rodovia Dom Pedro I, escondem matas, grutas e nascentes: um cenário estimulante para a prática de esportes de aventura. Os picos que mais se destacam no horizonte são o Leite Sol, o Guaripocaba e o Lopo, também conhecido como montanha do Gigante, por causa do seu formato, e localizado no município de Vargem.

É impossível, porém, falar de Bragança sem citar as famosas linguiças produzidas ali. Segundo historiadores, uma italiana de nome Palmira Boldrini foi quem começou a comercialização de linguiça artesanal naquela região, no início do século 20. Logo, com a fama, vendedores passavam pela região para comprá-las e revendê-las nas repartições de São Paulo.

Também vale a pena conhecer o cartão postal da cidade, o lago do Taboão. Lá, o turista encontra um completo espaço de lazer, com pista de cooper, playgrounds e quadras de areia. No entorno do lago, é fácil encontrar bons bares, restaurantes e lanchonetes.

Joanópolis

A cidade está posicionada nas “costas” da Serra da Mantiqueira e é conhecida por ser manancial de águas, com importantes nascentes e a represa do Sistema Cantareira. Cercada pela montanha da Serra do Lopo, alterna-se entre vales e morros, o cenário perfeito para a formação de belas quedas d’água. A mais famosa, a Cachoeira dos Pretos, tem mais de 150 metros de queda.

Com origem nas rotas abertas pelos bandeirantes que seguiam rumo a Minas Gerais, Joanópolis também tem atrativos para os fãs da lama e da poeira. As estradas que levam ao Sul de Minas são um prato cheio para a prática de trilhas a motor, por jipeiros ou motoqueiros.

Piracaia

É circundada por enormes represas, que fazem jus ao significado de seu nome, “cardume de peixes”, na língua indígena. Também situada à beira da Mantiqueira, possui muitas cachoeiras, montanhas e trilhas para quem quer aventura a pé ou a motor.

No cenário religioso, Piracaia se destaca pela Igreja Santo Antônio da Cachoeira, de 1891. No teto, artistas representam todos os papas. O Santo Cruzeiro fica localizado no morro da Penha e possui 14 metros de altura. É considerado o maior crucifixo do mundo, e faz parte importante na história e cultura de Piracaia. Do alto do morro tem-se uma visão privilegiada da cidade.

Sul de Minas

Monte Verde e Extrema, especialmente, já se tornaram destinos conhecidos de quem busca sossego e natureza, principalmente nos períodos de frio. Não à toa, a segunda é escolha recorrente de times de futebol de grande porte para ser sede de suas pré-temporadas.

Mas é Monte Verde, distrito de Camanducaia, a estrela do Sul de Minas no inverno. Com parte da pompa que há em Campos do Jordão, mas também cercada de muito verde e possibilidades de esportes radicais, atrai atenção dos mais jovens. Para ajudar, a infraestrutura hoteleira é satisfatória, com mais de 180 opções de hospedagem.

  • compartilhe:
  • Compartilhar
Youtube Facebook Twitter